13 de abril de 2011

BOMBA- JORNAL NACIONAL TEM ACESSO A VIDEOS EM QUE O ATIRADOR WELLINGTON DE MANEIRA CONFUSA FALA SOBRE O MASSACRE EM REALENGO

O Jornal Nacional teve acesso a dois vídeos gravados pelo assassino de Realengo supostamente dois dias antes de cometer o massacre. Wellington Menezes de Oliveira fala de maneira confusa sobre os motivos que o teriam levado a matar os estudantes. A reportagem exclusiva é de Paulo Renato Soares e Tyndaro Menezes.

A mensagem deixada pelo assassino Wellington Menezes de Oliveira foi grava em dois arquivos de vídeo. Ele está sem barba, na frente do que parece ser um muro.

Nas imagens, ele tem a mesma fisionomia e está no mesmo local de uma foto usada em um perfil atribuído a Wellington no site de relacionamentos Orkut.

O vídeo aparenta ter sido gravado por ele próprio. Wellington fala de maneira confusa sobre os supostos motivos do crime e culpa pessoas que chama de "covardes" pelo ato de covardia que ele mesmo cometeu.


"A luta pela qual muitos irmãos no passado morreram e eu morrerei não é exclusivamente pelo que é conhecido como bullying. A nossa luta é contra pessoas cruéis, covardes, que se aproveitam da bondade, da inocência, da fraqueza de pessoas incapazes de se defenderem", diz em um trecho.

Na segunda parte do vídeo, o assassino dá detalhes do longo planejamento da ação e diz que tirou a barba de forma premeditada.

"Os irmãos observaram que eu raspei a barba. Foi necessário, porque eu já estava planejando ir no local para estudar, ver uma forma de infiltração. Eu já tinha ido antes, há muitos meses atrás, eu fui, eu ainda não usava barba. Eu fui para dar uma analisada”.

O atirador também diz que esteve na escola dois dias antes do massacre. Não fica nenhuma dúvida de que ele arquitetou o plano friamente.

“Hoje, é segunda... terça-feira, aliás. Eu fui ontem, segunda. Hoje é terça-feira, dia 5. E essa foi uma tática para não despertar atenção. Apesar de eu ser sozinho, não ter uma família praticamente, eu vivo sozinho, não tenho pessoas a dar satisfação. Mas como eu precisava ir no local e interagir com pessoas, para não chamar atenção eu decidi raspar a barba”.

O Instituto Médico Legal divulgou, nesta terça-feira, o laudo cadavérico de Wellington Menezes de Oliveira. Segundo o documento, o assassino sofreu lesões no crânio provocadas por um tiro na têmpora direita, o que comprova que ele se suicidou.

(G1.Globo.com)