A Morte da Netflix?



   
Será que os dias de vida da gigante do streaming estão contados? Não haverá mais produções originais para serem odiadas e amadas com a mesma intensidade? Um ditado popular bastante conhecido diz o seguinte; “Ruim com ele, e pior sem ele”, nesse caso, ela. Como você se sentiria se a Netflix pendurasse as chuteiras? Para qual plataforma você migraria? Muitas perguntas, não é mesmo? Mas não precisa se preocupar, chorar ou fazer um discurso fúnebre via Facebook ou Twitter, pedindo para os deuses criadores trazê-la de volta. Recentemente, uma matéria do Los Angeles Times, falou sobre o possível futuro tenebroso que a distribuidora de conteúdo online está para enfrentar; devido a uma dívida a longo prazo em torno de 20 bilhões (63 bilhões de reais), com relação a direitos de distribuição de conteúdo e outras obrigações econômicas. Mas a própria Companhia refutou o valor da dívida, em nota à BBC Mundo, disse que o valor seria de 4,8 bilhões, o que não deixa de ser um débito, mas vamos jogar os números para o escanteio por enquanto, porque o que nos interessa é se ela vai cair no abismo ou não.

Contradizendo as informações de que a Netflix pode ir à falência devido aos empréstimos bilionários, Ted Sarandos, diretor de conteúdo da empresa, disse, em entrevista à Variety que serão investidos 7 bilhões em conteúdo original dividos entre filmes e séries para 2018. Vale ressaltar que, recentemente a companhia contratou a roteirista de Grey’s Anatomy, How To Get Away With Murder e Scandal, Shonda Rhimes, para produzir séries diretamente para o catálogo da empresa e não mais para a ABC, onde trabalhou por 20 anos.

Com essa nova parceria, a Netflix poderá alavancar o número de assinantes, que atualmente está na casa dos 100 milhões, visto que, Grey’s Anatomy é uma das séries mais populares do catálogo. Um outro ponto chave dessa sociedade entre Shonda e Netflix, é o fato da escritora ter total liberdade em suas criações, já que na emissora aberta, seus trabalhos tinham que obrigatoriamente passar pelas mãos dos produtores do canal, e no streaming, ela não vai precisar de revisores para censurar suas produções, os dois lados serão beneficiados, e claro, o público também sai em vantagem.

A disputa entre as empresas de streaming está cada vez mais acirrada, a Apple, pretende investir 1 bilhão para comprar e produzir conteúdo em 2018, com isso, se tornará uma das maiores produtoras de Hollywood. A Netflix se sobressai devido aos conteúdos originais de grande sucesso como, Orange Is The New Black, House Of Cards e a cancelada Sense 8. No entanto, existe uma expressiva visibilidade da Hulu (Chance), Amazon Prime, Youtube e da própria Apple.

A guerra entre elas estão apenas começando, não existe possibilidade de rendição de nenhuma das partes, pelo menos não por enquanto, dessa maneira, os assinantes poderão ter um leque de possibilidades com relação aos conteúdos produzidos, e ao contrário do que se fala, a Netflix está longe de morrer.



Texto publicado originalmente em 22/08/2017 | 10:29



0 comentários:

Postar um comentário